Segunda-feira, 23 de Julho de 2007
Sozinha .

" Eles eram felizes. Eles eram como um só. Faziam parte um do outro. Quem os via, dizia que ali existia o amor eterno. Eles eram tão felizes. Ninguém acreditava que aquele amor iria acabar um dia. Passeavam nas ruas de mão dada, trocavam sorrisos e olhares cúmplices, entendiam-se telepaticamente. Eles tinham o seu próprio lugar, 'a árvore'. Aquela grande árvore da vila, onde eles tanto namoravam e tanto se amavam. Mesmo quando chovia, lá estavam eles a beijar-se apaixonadamente, como nos filmes de romance.
E ela, ela amava-o tanto que seria capaz de qualquer coisa por ele. Sabia que ele a amava.

- Eu amo-te. - sussurrava-lhe ao ouvido.

- Eu também. - dizia ela abraçando-o com todas as forças.

Quando não estavam juntos, o medo dela era perdê-lo. Perdê-lo para sempre. Imaginava-se sem ele. E, para ela, sem ele o mundo perderia a cor. Os pássaros deixariam de cantar e as borboletas de esvoaçar em redor da 'árvore'.

Mas, certo dia, ele magoou-a. E ela sofreu. E sofreu. Jurou que um pedaço dela tinha morrido naquele instante.

- Tu disseste que sempre irias ser... - disse-lhe ela entre soluços de choro por telefone.

Ele respondeu com silêncio. Durante uns tempos estiveram assim. Calados. Só se ouviam os soluços de choro da pobre rapariga.

- Como consegues? Como pudeste? Juraste que vinhas mal pudesses, juraste que me vinhas buscar nem que tívessemos de morar na 'árvore'. Juraste que vinhas. Porquê? Porquê que me fazes isto?

Ela sabia. Sabia que o motivo não eram só os km de separação pelo qual ele estava a terminar com ela. Ela sabia que havia outro motivo.

- Eu sei que passamos momentos maravilhosos que eu não irei esquecer. Mas para eu puder voltar seriam precisos mais 3 anos. Compreende. Eu numa noite qualquer, bêbado iria te magoar ainda mais. Iria te trair. E eu não quero isso.

Ela desligou. Doía ouvir ele dizer que não iria aguentar esperar 3 anos para voltar a tê-la nos braços. Doía ouvi-lo dizer que poderia traí-la. Mas, de certo modo, ele tinha razão. "

Este texto e' para aquelas pessoas que estao separadas por km mas ainda acreditam no amor. E' tudo mto bonito, mas mesmo existindo o amor, e' complicado. Eu pelo menos não gostava de namorar assim, o mais correcto seria fazer o que ele fez. Apesar de causar muito sofrimento, não só a uma pessoa mais sim aos dois, dói no momento. Mas, se soubessemos de uma possível traição que pode ocorrer mesmo as duas pessoas amando-se muito, iria magoar muito mais. Eu não tenho nada contra esses namoros ( muitas das vezes via msn ), mas acho q as vezes e' um pouco a ilusão ou a falta de carinho no nosso dia-a-dia com o sexo oposto. AH , e este texto tem outra intenção moral. E' q as vezes pensamos q as pessoas fazem certas e determinadas coisas para nos magoar, mas n. Elas apenas o fazem para evitar um mal maior.

Agora quero ler as vossas opiniões.

Beijinhos x') *


sinto-me: Normal .
música: DHT feat. Edmee - Listen to your heart

publicado por Sara Mendes às 15:03
link do post | Opinar :'D | Ver opinioes (8) | favorito

.mais sobre mim
.posts recentes

. Sozinha .

.arquivos

. Dezembro 2010

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.pesquisar
 
.subscrever feeds